Pular para o conteúdo principal

Hiperinflação ainda existe


Em minha última viagem eclesiástica, conversei com um amigo do Zimbabwe. Masimba é cego, mas formado em ciências sociais - teve a sorte de ter condições para isso. Em meio a nossa conversa sobre a situação atual do Zimbabwe sob o comando do ditador Mugabe, fiquei surpreso com o problema inflacionário de lá. Confesso que não tenho lido muito os jornais internacionais. 

Como presente e prova de que hiperinflação ainda existe, ele me deu a seguinte cédula que me tornou trilionário em dólares do Zimbabwe.


Sim, 50 trilhões de dólares. Masimba estimou seu valor em US$ 0,25. Nem isso, na verdade, o povo já está usando a moeda sul-africana e o dólar americano. Fiquei feliz com o presente, embora reconheça tristemente o que significa tamanha inflação para um povo pobre como o do Zimbabwe. E ali está meu cartão de estudante, só pra provar que a cédula é minha, hehe.

Comentários

Gustavo Bonato disse…
Pelo menos as crianças aprendem fácil os múltiplos de milhão. Eu não sei o que vem depois de "trilhão".
Thomas H. Kang disse…
Hehaueha, boa pergunta!
A gente era mais esperto: cortávamos os zeros antes...
Anônimo disse…
Olá Thomas.Tenho uma dúvida.

O sistema de preços permite sinalizar aos empresários onde há restrição de oferta. Isso permite que eles se adaptem, ampliando sua oferta e beneficiando, com isso, o consumidor, que terá a sua demanda atendida por preços mais baixos. Mas se o governo controla a inflação, como saber onde há restrição de oferta?

Por outro lado, se o governo não controla a inflação, isso causará um problema político, pois deixará a população insatisfeita, considerando que a adaptação dos empresários não será instantânea e os preços continuarão subindo. Qual a solução?

E, por fim, o controle de inflação não é no mínimo questionável (embora tenha a sua importância política), na medida em que restringe a demanda, cabendo a população decidir o que compra ou nao?

Postagens mais visitadas deste blog

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas. Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre). Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55)

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero. O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente. O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Luter

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei. Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto. Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de a